Não é incomum a gente ouvir dos alunos a questão do porquê se estudar Arte. Poderíamos apenas responder que é porque está na  Base do Currículo Nacional, e se está no currículo é importante. Porém, nós sabemos que a importância do estudo da arte vai muito além disso. Existem pensadores e pesquisas que indicam os resultados que a Arte causa no ser humano. Além disso, se pensarmos que o ensino fundamental é o período em que o aluno tem para ampliar seus conhecimentos “fundamentais” e escolher o que mais lhe agrada para seguir carreira profissional, também precisamos dar importância a arte, já que muitas profissões atuais são da área criativa. Indo um pouco além, podemos pensar ainda na questão dos tipos de inteligência. É fato que nem todos tem habilidade para o campo das exatas, e não é isso o que vai ditar se a pessoa é inteligente ou não, mas sim que tem aptidão para outra área, que pode fazer com que esse indivíduo tenha tanto sucesso quanto alguém que é da área de exatas.

 

Reflexões interessantes sobre o bem que a arte proporciona

Segundo a Ana Mae Barbosa, uma das principais referências de arte-educação no Brasil, em uma entrevista dada à Revista Época, diz que a arte não é enfeite para colocar na parede, muito menos um babado cultural. Segundo ela, a arte amplia o desenvolvimento da interpretação, e ao interpretar, o indivíduo amplia a sua inteligência e capacidade perceptiva, que pode ser aplicada em qualquer área da vida.

 

Outra questão muito importante, é que a arte trabalha também o lado afetivo e o emocional, o que contribui para que a pessoa saiba lidar com as situações reais da vida e aprenda a ser um adulto que tenha inteligência emocional, ou seja, um adulto mais equilibrado, habilidade que que é apreciada no mercado de trabalho. Além desta questão, como vários trabalhos artísticos são desenvolvidos em grupo, a arte desenvolve o trabalho em equipe e a criatividade.

 

Além disso, pensando sobre arte como cultura, é imprescindível frisar que não se conhece um país sem se conhecer a sua história e a sua arte. As pinturas, esculturas e outros objetos de arte dizem muito sobre um lugar ou sobre uma pessoa.

Profissões criativas e a arte

Podemos pensar também sobre as profissões da atualidade. A área criativa tem crescido e ganhado espaço. Pensando por essa vertente é importante o estudo da arte, assim o indivíduo aprimora seus conhecimentos ainda no ensino regular, o que proporcionará um profissional de maior qualidade.

Listei algumas profissões da área criativa, mas elas vão além das que eu mensurei aqui:  

  • Artista plástico
  • Arquiteto
  • Designer de games
  • Designer de interiores
  • Designer de jóias
  • Designer gráfico
  • Web designer
  • Estilista
  • Publicitário
  • Roteirista de cinema, teatro, TV
  • Analista de mídias sociais
  • Produtor musical
  • Músico
  • Maquiador profissional
  • Dançarino
  • Paisagista
  • Ator de cinema / teatro

Tipos de inteligência e a arte

Se ainda não ficou convencido da importância de se estudar arte com os argumentos dados até então, tenho ainda outra questão a se refletir, que é a dos tipos de inteligência.

 

O psicólogo americano Howard Garnier descobriu em suas pesquisas que existem nove tipos de inteligência e que uma pessoa costuma ter duas destas inteligências mais desenvolvidas. O que explica o fato de uma pessoa ter facilidade com cálculos mas ser uma negação em atividades artísticas.

 

Os tipos de inteligência são: Lógico-matemática, linguística, musical, espacial, corporal cinestésica, intrapessoal, interpessoal, naturalista e existencial. Destas eu destaco as três que estão ligadas à arte: musical, espacial e corporal cinestésica.

 

Inteligência Musical

O indivíduo possui habilidade para compor e executar padrões musicais, executando pedaços de ouvido, em termos de ritmo e timbre, mas também escutando-os e discernindo-os. Pode estar associada a outras inteligências, como a linguística, espacial ou corporal-cinestésica. É predominante em compositores, maestros, músicos e críticos de música.

 

Inteligência Espacial

Expressa-se pela capacidade de compreender o mundo visual com precisão, permitindo transformar, modificar percepções e recriar experiências visuais até mesmo sem estímulos físicos. É predominante em arquitetos, artistas, escultores, cartógrafos, geógrafos, navegadores e jogadores de xadrez, por exemplo.

 

Corporal-cinestésica

Traduz-se na maior capacidade de controlar e orquestrar movimentos do corpo. É predominante entre atores e aqueles que praticam a dança ou os esportes.

Caso queira ler sobre todos os tipos de integilência, indico os sites www.hipercultura.com Catraca Livre.

Vale ressaltar que o estudo de arte aqui mensurado cabe às aulas onde são trabalhadas a “proposta triangular”, ou seja: Contextualização histórica (conhecer a sua contextualização histórica), o fazer artístico (fazer arte) e a apreciação artística (saber ler uma obra de arte).